Minimalismo: carta urgente!

17.6.14

Minimalismo é acima de tudo um caminho. Isto não é novidade nenhuma uma vez que uma imensidão de especialistas/autores de livros e books sobre o tema o repete. Porém ainda existem muitas pessoas a acharem que não são minimalistas porque estão a começar ou porque ainda têm muita coisa em casa... Então esta carta é sobretudo para si.

"Bem lá no fundo meu marido sempre foi minimalista!"
"Sou minimalista e não sabia!"
"Quanto mais conheço o minimalismo mais me sinto fascinada por este estilo de vida! Penso muito sobre o assunto."

Onde eu quero chegar? Não só é mais benéfico pensar positivo, como seria positivo aceitar que você é minimalista a partir do momento em que muda o seu pensamento e a sua perspectiva de vida para o que realmente é o minimalismo.

Isto não é uma religião, nem um conjunto de regras de uma tribo. Não passa por esvaziar a casa ou por deixar de ter dois carros. Nem sequer existe uma definição certa pois o minimalismo é mais do que tudo um processo, uma ferramenta. Eu diria que é a primeira frase deste texto.

Portanto se você está tomando consciência do que não é indispensável para si e começou já agindo em função disso, realizando uma busca interior sobre o que realmente é indispensável, parabéns, você está se "minimalistando"! (mais uma palavra inventada)

Se ainda assim não estiver convencido lembre que nada nem ninguém é perfeito e que estamos sempre recebendo mais "lixo", diga-se "coisas" dispensáveis, sendo que nem me estou referindo só a objetos. As nossas atitudes nos fazem minimalistas, bem como a nossa fidelidade para com nós mesmos.

O modo mais fácil de ilustrar tudo isto é perguntar-lhe "qual a meta para você admitir que finalmente é minimalista?". Se você respondeu:
- "ter menos coisas" esqueça, é muito vago. Isso não é uma meta objetiva.
- "ter uma casa mais vazia" esqueça também. Sua casa está sempre recebendo papelada, roupa, comida, objetos novos... num fim de semana você arruma tudo (oba meta atingida) porém no fim de semana seguinte já acumulou imensa coisa de novo... sua meta é simplesmente temporária.
- "ter apenas 10 objetos" aí esqueça mesmo, minimalismo não é um número, muito menos se define limitamente em objetos. Seus 10 objetos podem mudar consoante a fase da sua vida, bem como as pessoas que realmente são importantes para si.

Novamente repito a primeira frase deste texto. Não tenha uma mente limitada e aceite-se como é. Às vezes leva-se mais tempo a entender ou a aceitar o que é essencial. Mas se descobrir e lutar por isso já está no "caminho". Boa jornada!

You Might Also Like

3 comments

  1. Concordo plenamente!
    O minimalismo tem significados diferentes para pessoas diferentes, mas todos devemos saber que é um processo continuo. Eu considero-me minimalista desde que comecei a tomar consciência do conceito e a procurar cada vez mais informação para melhorar a minha vida. Para mim estou num bom caminho, talvez para outro minimalista fiz ainda pouco...mas o que interessa é como eu me sinto! Sinto-me num bom caminho :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Caminho bom, não é amiga? Com calma e para a vida toda, talvez. Não existe fórmula, penso que só vivendo e experienciando para saber um pouco o que é o minimalismo. Disposição para ver a vida de uma outra perspectiva e se permitir transformar, também me parece necessário. Gostei que você lembrou da aceitação, para mim é um super recado! :) Adorei! beijos

    ResponderEliminar
  3. Excelente texto, amiga. Já vi gente preocupada com o "grau" de minimalismo que possui porque é diferente do de outra pessoa. Mas minimalismo é muito particular. Cada um sabe de suas necessidades e dos seus excessos. Sem neuras, porque daí já vira obrigação e não uma satisfação de ter esse estilo de vida. Parabéns pelo post. Adorei e concordo completamente. Bjus, querida.

    ResponderEliminar